Sociedade está otimista sobre o uso de Inteligência Artificial por ONGs, diz pesquisa

Estudo mostra que 37% dos entrevistados acreditam que os benefícios do uso da IA superam os potenciais riscos

Freepik

“O que pensam as pessoas sobre o uso de IA por ONGs”, é o nome da pesquisa inédita, que revela uma sociedade otimista quanto à adoção da Inteligência Artificial, mesmo com ressalvas. Participaram do estudo mais de seis mil indivíduos de 10 países, incluindo o Brasil.

Realizada pela organização britânica Charities Aid Foundation (CAF), que é representada no Brasil pelo Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), a pesquisa mostra que 37% dos entrevistados acreditam que os benefícios do uso da IA superam os potenciais riscos, em contraste com os 22% que afirmam o contrário.

“Os achados deste estudo são ricos para aprofundarmos o debate sobre o uso da IA no terceiro setor no Brasil, com a responsabilidade e ética que o tema exige” comenta Luisa Lima, gerente de comunicação e conhecimento do IDIS.

Outro cálculo realizado no estudo é a diferença entre aqueles que são favoráveis ao uso da IA e aqueles que acreditam que os riscos são maiores. No geral, esse valor é de 15%, enquanto, no ranking por países, o Brasil ocupa o segundo lugar entre aqueles que acreditam que os benefícios do uso da IA superam os riscos (30%), ficando atrás apenas do Quênia (44%).

Entre as oportunidades mais destacadas pelos brasileiros foram: a possibilidade de auxiliar mais pessoas (29%), a capacidade de rápida resposta a emergências (22%) e a tomada de decisões mais precisas a partir da análise de dados (16%).

Já entre os riscos para as organizações do terceiro setor mais citados pelos participantes do Brasil, estão: a segurança de dados (30%), a redução de postos de trabalho (26%) e a geração de informações e decisões enviesadas (14%).

Além disso, a pesquisa ainda revela que o público está atento e interessado em como as ONGs aplicam a tecnologia e apenas 13% responderam que prestariam pouca ou nenhuma atenção ao seu uso pelas organizações que apoiam. Entre os países em desenvolvimento, que inclui o Brasil, 73% dizem que prestariam muita atenção a este ponto, superior aos 40% dos países onde a renda é maior.

No geral, os resultados indicam que o público reconhece as oportunidades geradas pela Inteligência Artificial, mas espera cautela e transparência para compreender como e por que as organizações estão utilizando a inteligência artificial para alcançar sua missão. Reconhecem também que deve haver investimento para que a IA possa ser adotada por todo tipo de organização, evitando criar desigualdades no setor.

O fundador e diretor executivo do Atados, Daniel Assunção, compartilhou suas percepções sobre os resultados do estudo e expressou otimismo em relação ao assunto. Ele destaca a importância da ferramenta, principalmente, em situações emergenciais, como enchentes.

“A IA poderá contribuir ainda antes dos desastres, mapeando potenciais riscos e informando a população na iminência de ser afetada. Pode ser benéfica também no momento da resposta, otimizando a distribuição dos recursos e a comunicação entre todos os envolvidos, assim como depois, avaliando a qualidade da resposta a partir do cruzamento de dados disponíveis.”

A Inteligência Artificial (IA) não é mais tema de filmes de ficção científica e está cada vez mais presentes no cotidiano da sociedade em geral. Em 2023, por exemplo, o mundo presenciou e começou a experimentar o nascimento do ChatGPT, plataforma de IA generativa da Open AI, que em apenas três meses atingiu 100 milhões de usuários. Além da novidade do produto, o crescimento foi considerado o mais rápido na história dos aplicativos de internet.

E à medida que a tecnologia avança, é natural que ela comece a ser adotada, aos poucos pelas organizações da sociedade civil. Segundo Kiko Afonso, diretor executivo da Ação da Cidadania, a OSC a qual ele integra utiliza a IA para comunicação.

“Fazemos anúncios patrocinados em plataformas como Google ou Facebook e geramos imagens, por exemplo. Vemos também um grande potencial de seu uso para a captação de recursos, pois seu uso poderá nos ajudar a compreender melhor o perfil de nossos doadores e criarmos estratégias a partir desse conhecimento”, explicou.

Deixe uma resposta

Fique tranquilo! Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está de acordo com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de privacidade e cookies